Archive for janeiro \30\UTC 2011

Homenagem…

janeiro 30, 2011

Este ano fui escolhido como paraninfo da turma de Sistemas de Informação. Nesta última sexta-feira, ocorreu a cerimônia de colação de grau no anfiteatro de uma escola em minha cidade. Como de praxe, todo paraninfo deve elaborar um discurso. Segue na íntegra o texto lido na cerimônia:

 

Magnífico Reitor da Universidade Federal de Ouro Preto,

Excelentíssimo Diretor do ICEA,

Excelentíssimo Chefe do DECEA,

Demais membros da mesa diretora,

Senhoras e Senhores,

 

Meus distintos alunos,

 

Primeiramente, gostaria de agradecer-lhes por este momento. É uma grande honra ser escolhido por esta turma tão especial de bacharéis, como paraninfo.

Hoje vocês se formam. Diferentemente do que ocorria no passado, hoje não formam-se prontos. Nunca estarão enquanto vivos. Os tempos têm mudado e ainda mais no caminho escolhido, o caminho da tecnologia, não há espaço para sermos competentes, apenas para estarmos momentaneamente nesta condição. Por isto atentem para o aprendizado contínuo que será a marca de suas carreiras bem sucedidas.

Mas nesta mensagem, pretendo fugir do tema “formação profissional”. A honraria que me concedem me instiga a compartilhar com vocês mais do que algum conselho sobre carreira. Se permitem dar algum conselho, este é, citando o filósofo Nietzsche, “Torna-te quem tu és”. O que há em vocês é mais complexo que qualquer algoritmo, linguagem de programação ou protocolo de rede. Invistam em conhecer a vocês mesmos pelo menos o mesmo tempo que dedicam aos estudos de linguagens, estruturas de dados ou protocolos de redes. Só depois de descobrirem quem são vocês, poderão construir algo, pois é a vocês mesmos que estarão construindo enquanto estiverem esculpindo suas obras.

Finalmente, deixem-me compartilhar uma pequena e talvez já conhecida história: dois colegas saem do trabalho para almoçar. Cai um temporal e ambos se molham. Ao chegar ao trabalho, um explica ao patrão: saímos para almoçar, caiu um temporal e nos molhamos. O empresário balança a cabeça e decepciona-se. Mas o segundo conta a sua versão: saímos para almoçar, eu esqueci o guarda-chuva, caiu um temporal e nos molhamos. Agora o empreendedor sabe que tem alguém com quem contar, pois no momento em que trazemos para nós a responsabilidade, daí somos potentes para mudar o futuro. O primeiro funcionário sempre dependerá do humor da estação para ficar seco, o segundo toma as rédeas da vida para si e sabe que pode por seu próprio talento e ação modificar o resultado, pois se ele foi o culpado por estar molhado, pode decidir estar seco amanhã. Assumam, pois, suas escolhas. Ao final perceberão que são resultado destas.

Muito obrigado e boa sorte na carreira de sucesso que os aguarda.

 

Anúncios

Um novo ano começou…

janeiro 8, 2011

Como havia muito tempo que não postava nada, resolvi estreiar o novo ano com um post de “resoluções” para 2011. No ano de 2010, não tive tempo para ler bons livros, o que pretendo corrigir este ano. A seguir estão listados alguns dos livros que pretendo ler. Ao final de 2011, pretendo fazer um “balanço” do que consegui cumprir de minhas resoluções.

1 – Deus, Um Delírio de Richard Dawkins.

Neste livro Dawkins, renomado Zoólogo inglês apresenta argumentos contudentes para explicar o porquê é muito improvável que deus exista. Dawkins usa seu conceito de memes (idéias que agem como os genes) e o darwinismo para propor explicações à tendência da humanidade de acreditar num ser superior. E desmonta um a um, com base na teoria das probabilidades e da evolução das espécies, os argumentos que defendem a existência de deus, dedicando especial atenção ao design inteligente, tentativa criacionista de harmonizar ciência e religião.

2 – O Evangelho Segundo Jesus Cristo de José Saramago.

Apesar de já possuir este livro há algum tempo, ainda não tive tempo de lê-lo. Neste livro, Saramago apresenta uma versão do evangelho apresentando um Jesus Cristo mais humano e menos místico.

3 – O guia do Mochileiro das Galáxias, O Restaurante no Fim do Universo e O Universo a Vida e Tudo Mais de Douglas Adams

Clássicos absolutos da ficção científica! Já ouvi falar muito destes livros e sempre tive vontade de lê-los, mas como sempre faltou tempo… Espero que este ano consiga arranjar tempo para boas risadas. 42! rs

4 – A Razão Áurea: A História de \phi um número supreendente de Mário Lívio.

Em Razão Áurea, o astrofísico e matemático Mario Livio, esclarece as origens das ocorrências da razão áurea na natureza e seus usos na arquitetura, na pintura e na música. Aplicações deste número são frequentes em cursos de matemática discreta, por isso meu interesse em lê-lo.

5 – Incompletude: A Prova e o Paradoxo de Kurt Godel de Rebecca Goldstein

O famoso teorema da incompletude de Godel é uma das descobertas científicas mais importantes do século passado e até o presente momento, não conheço nenhuma apresentação deste simples e acessível para cursos de graduação ou para leigos em geral. Quero ler este livro, que segundo críticas, preenche esta lacuna sendo acessível a pessoas com pouco ou nenhum conhecimento de lógica formal.

6 – Interactive Theorem Proving and Program Development: The Coq’Art – The Calculus of Inductive Constructions de Yves Bertot e Pierre Casterán

Este livro é o único publicado sobre o assistente de provas Coq. Além de apresentar exemplos práticos de uso desta ferramenta, são apresentados os fundamentos lógicos desta. Sem dúvida, leitura importantíssima!